quinta-feira, 17 de junho de 2010

Placebos ufanistas



Dia desses respondia ao Tikão (@patrickzanon) no Twitter sobre esta exagerada alienação impregnada em tempos de Campeonato Mundial de Vuvuzela, também conhecida como Copa do Mundo. Este termo surgiu imediato e intragável. Acho que por isto gostei e resolvi, no decorrer destes dias, abrir os olhos ao que me cerca e decobrir situações em que os "Placebos Ufanistas" estão fazendo seu efeito de entorpecimento psicológico. Comecei hoje, com a tirinha retirada do Mesa de Bar e postada no Na Bruzundanga, que tão bem retrata nossa situação. Fontes citadas. Quae sunt Caesaris, Caesari.

Segue uma possível (in)definição do que poderia vir a ser "Placebos Ufanistas". Créditos para a ajuda de Santa Wikipédia dos Sem Aurélio.
"Placebo (do latim placere, significando "agradarei") é como se denomina um fármaco ou procedimento inerte, e que apresenta efeitos terapêuticos devido aos efeitos fisiológicos da crença do paciente de que está a ser tratado". Piorou? Ok, outra tentativa: lembra do escândalo com o Microvlar? Bom, se até aqui não entendeu, aconselho usar os links e... Boa pesquisa!
Ufanista: "(...) O adjetivo ufano provém da língua espanhola e significa a vanglória de um grupo arrogando a si méritos extraordinários. (...) Ufanistas acabavam por extrapolar ao se vangloriar desmedidamente das riquezas brasileiras, muitas vezes expondo a si e ao país a uma situação que seria interpretada por outros como (...) vaidade". Nem preciso comentar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Diz aí!