segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Mas heim, CBN?



Ouvia na condução, a caminho de casa após um dia de trabalho, o  noticiário da Rádio CBN. A locutora informava que no acesso ao Méier, o motorista perderia muito tempo na Rua Vinte e Quatro de Maio, no trecho de cruzamento com a Rua Bela Vista. 

Qual a surpresa nisto? É que eu estava exatamente no citado ponto da cidade onde existia a tal retenção e o trânsito ali fluia qual em uma noite de domingo. Rua vazia!

Quem apurou isto? Quanto tempo antes do noticiário ir ao ar esta informação foi obtida? São umas tantas perguntas e a esperança de que seja só algo pontual. Afinal, minorar uma notícia mal apurada abre espaço para outras.

No final da nota, informou que os termômetros marcavam média de 24ºC no Rio de Janeiro. Não sei onde, mas entre o centro da cidade e a Tijuca vi pelo menos cinco termômetros de rua informando temperaturas sempre acima dos trinta graus. Que tempo louco, não?

É a qualidade e lisura do que se transmite que forma a qualidade e a fidelidade da audiência. Pequenos deslizes diários são fermento para a desvalorização de uma profissão.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Rio de Janeiro. Tenso? Imagina!


Há aproximadamente um ano, vi uma vizinha entrar pálida no prédio, contando ter visto um helicóptero em chamas caindo em direção ao campo de futebol, perto de uma área movimentada e densamente povoada. Mal deu para esquecer aquela época de horror, em que uma onda de ataques e incêncios criminosos também sucedeu por dias.

Li durante o dia notícias, desabafos, teorias e até um pouco de humor. Temos tentado sobreviver como podemos. Apoiamos ou criticamos ou apoiamos as ações do BOPE, do Governo do Estado, do Governador Cabral. Alguns não deixaram de culpar  "maconheiros e cheiradores " da classe média por alimentarem o negócio do tráfico.

Cada um com sua razão, mas com uma certeza em comum: o Rio de Janeiro não merece passar por isto e esperamos ver esta cidades e estado pacificados.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Flores musicais


 A música, linguagem universal, rica e inventiva, renasce e se renova a cada boa composição, a cada estilo reinventado e em cada mistura. Uma boa música marca e acaba perdurando eternamente, quer pela gravação original, pela memórias que marca ou por outras músicas que inspira.

Na trilha sonora de hoje, o melhor de três numa seleção especial de lindas flores musicais, comprovando como um tema inspira tanto que renasce, revive e floresce de uma canção para outra.


Começamos com o sucesso "Flores em Você", sexta faixa do álbum Vivendo e Não Aprendendo, do IRA! A banda de rock brasileira lançou este disco
em 1986. A música é um sucesso cantado até hoje, em várias versões. A minha predileta é a do Acústico MTV IRA! 

"E VEJO FLORES EM VOCÊ".



Ainda na década de 80, as flores foram cantadas pelos Titãs na inesquecível Flores. A música, presente no quinto disco da banda. Na versão a seguir, a regravação do álbum ao vivo Acústico MTV, com Branco Mello e a Marisa Monte nos vocais.

"AS FLORES DE PLÁSTICO NÃO MORREM".


Mais recentemente, o cantor brasileiro Jay Vaquer, em "Aquela Música", fez uma citação às avessas ao clássico dos Titãs. Jay prova a força e a influência do verso que ficou eternizado na canção Flores, de duas décadas antes. A composição de Jay Vaquer faz parte do disco do artista, Vendo A Mim Mesmo, de 2004.

"JÁ SEI QUE AS FLORES DE PLÁSTICO NÃO VIVEM".


O bônus de hoje é um clássico de Geraldo Vandré. Na canção "Prá não dizer que não falei de flores", de 1968, o compositor retratou as lutas de uma época de mudanças no país. Não menciona flores uma só vez na letra da canção.

"QUEM SABE FAZ A HORA, NÃO ESPERA ACONTECER".

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Vá jogar sinuca! Histórias reais sobre um passeio furado.

Dia desses reunimos o povo e fomos botecar no Bigode´s, bar sempre lotado de gente interessante (ou nem tanto), na zona sul carioca. Goles depois, tramávamos uma viagem da turma. Rolou um brainstorming sobre possíveis destinos.

No meio do papo, saiu o nome Sana. Já ouviu falar? Se a resposta é "não", leia isto:
"O pessoal fumava (maconha) em toda parte e havia muita bagunça. Isso está mudando". Isabel Araújo, presidente da Associação Comercial e Ecoturística do Sana. Em http://www.viagensmaneiras.com/viagens/sana.htm)

Ouvi uma história em que, chegando ao vilarejo, uma hippie vendia artesanato feito de sementes, madeira e demais objetos reciclados.

Uma moças gostou das peças. A vendedora exclama:
- Massa, né?
A resposta da visitante, imediata:
- A, é massa? Menina, jurava que era madeira. Imita diretinho, né?

Confusão I. Claro, a mulher achou que estava sendo ridicularizada pela visitante. Tiveram de tratar de sair dali bem rapidinho. A resposta foi lesada apenas, e não maldosa.


Contava uma amiga que realmente não curte drogas (mas toma uma cerveja, porque não é de ferro!), acreditando nesta mudança, há alguns anos organizou um passeio com sua galera  pro Sana. Carregaram suas suas barracas e foram rumo ao desconhecido.

Minha amiga, cosmopolita ferrenha, começou a se dar mal com a idéia de acampar. Ao seu redor, tudo era fumaça. Sorveu tanta maconha alheia que é provável ter tido até larica. Irritada, foi prá fila do banheiro. Lá, uma alta consumidora de cannabis sativa (leia-se maconheira) dirige-se à ela e pergunta:

- Colega, tem seeeeda? (Seda, neste caso, é um papel usado para fazer cigarro)
E a resposta, ingênua veio logo:
- Seda não... Mas tenho Pantene. Serve?

Confusão II. A missão. Dizem que as pessoas ao redor tiveram que segurar a maconheira, que queria agredí-la ali mesmo.

Fica a dica: antes de ir prá um lugar desconhecido, pense se não é melhor ir jogar sinuca.  Lá taco é taco, bola é bola e mesa é mesa. Não tem engano!



domingo, 7 de novembro de 2010

Só sei que nada sei

Sábio era o filósofo Sócrates (469–399 a.C.), que sempre dizia que sua sabedoria era limitada à sua própria ignorância. Daí a citação "Só sei que nada sei". Nunca proclamou ser sábio e, de tanto questionar, principalmente os sábios, começou a arrebanhar inimigos.

Num mundo cheio de gente que procura respostas, me identifico com o filósofo na preferência pela pergunta. Coloco-me à prova indagando a mim mesmo. São os "porquês" que circundam a vida. Doido? Não. Penso que não mereça a cicuta. Não sou merecedor o suficiente.

Depois de tanta filosofia, música, please.

A trilha musical da semana começa com "Nada Sei", composição de Paula Toller e George Israel, do sempre ótimo Kid Abelha: "Sou errado, sou errante, sempre na estrada, sempre distante.Vou errando enquanto o tempo me deixar..."

Continua com "Flores em Você", de Edgard Scandurra, com o grupo IRA: "De todo o meu passado, boas e más recordações. Quero viver meu presente e lembrar tudo depois".

E lembrando que esta semana Sir Paul McCartney se apresenta no Brasil, esbanjando simpatia e vitalidade, dando exemplo para todos os músicos, fecho com um clássico: Live and let die: "Mas se este mundo de constantes mudanças no qual vivemos faz você se entregar e chorar...Diga viva e deixe morrer".





quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Abertas as incrições para o 2º Curso Prático de Mídias Sociais.


As tecnologias da informação e comunicação se tornaram, nos últimos tempos, uma realide. Para os profissionais de comunicação, as mídias digitais configuram-se como desafio ou apoio, à medida em que se dominam as aplicações de cada ferramenta.

Pensando na atualização profissional de seus associados, o Clube de Comunicação, em parceria com o Sindicato dos Jornalistas do Município do Rio de Janeiro e com o Idigo - Núcleo de Inteligência Digital, realizará mais uma edição do Curso Prático de Mídias Sociais, com o objetivo de capacitar os profissionais para utilizar corretamente as mídias sociais.

O curso, realizado na sede do Sindicado, tem aulas ministradas pelo Idigo, empresa especializada em cursos sobre o mercado digital. Entre os palestrantes estão Joyce Jane, CEO do iDigo; Andréa Hiranaka, gestora de projetos da E-Life; e Fábio Seixas, fundador do Camiseteria.

As incrições já estão abertas. Os jornalistas sindicalizados e em dia e Associados do Clube de Comunicação ganham desconto no valor da incrição, e pagam R$ 170,00. Os demais interessados pagam R$ 200,00. Informações e inscrições: Eliete/Sindicato - tel.: 3906-2450.

A próxima turma terá aulas nos dias 22 e 24 de novembro (segunda e quarta-feira), das 18h às 22h. O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro fica na Rua Evaristo da Veiga, 16/17º andar - auditório – Cinelândia.

Confira a programação e o mapa do local.

 Programação:

Dia 22/11

Módulo 1 – Uso corporativo das redes sociais (2h)

1. O perfil do novo consumidor;
2. O poder do boca a boca na web;
3. Empresas e novas relações: a conversa;
4. Ferramentas usadas pelas empresas para falar com seus; consumidores;
5. Diferentes usos: diálogo, fidelização, vendas, atendimento;
6. Cases de sucesso de uso corporativo das redes;
7. Cases de fracasso; e
8. Planejamento.

Módulo 2 – Monitoramento (2h)

1. Análise do consumidor;
2. Avaliação das menções nas redes;
3. Qualificação do boca a boca;
4. Ferramentas para monitoramento;
5. ROI;
6. Casos de sucesso.


Dia 24/11

Módulo 3 – Conhecendo o Twitter (2h)

1. Criação de perfil
2. DM, #, Listas, FF;
3. Search e ferramentas de análise de perfil;
4. Abordagem e frequência; e
5. Diferentes usos e linguagem: vendas, atendimento, inovação comunicação,
diálogo.

Módulo 4 - Conhecendo o Facebook (2h)

1. Perfil e páginas;
2. Facebook Connect;
3. Engajamento com consumidores;
4. Facebook Places;
5. Ações empresariais;
6. Pluggins e aplicativos.

Mapa:


Exibir mapa ampliado