domingo, 11 de agosto de 2013

Dia dos Pais


Engordam, dormem pouco, se preocupam e querem deixar tudo em dia para a chegada do bebê. Sonham, planejam, esperam...

Já com o bebê em casa, conjugam verbos que não sabiam existir: trocar fralda, ferver mamadeira, colocar para arrotar, encher banheira, ninar para dormir... AMAR!

Parece que falei a respeito das mães? É, parece... Mas escrevi sobre os PAIS mesmo.

Então, para todos nós, coadjuvantes ou protagonistas, hora engajados, outras espectadores, que seja um dia para refletir sobre nossa MISSÃO na vida: formar, educar, criar, orientar e ser exemplo para nossos filhos.

Este é meu primeiro Dia dos Pais e quero dividir essa alegria com todos os amigos pais, especialmente com os estreantes neste papel, que é para sempre.

Feliz Dia dos Pais.

terça-feira, 30 de julho de 2013

terça-feira, 18 de junho de 2013

Vinte centavos...


Uma pena que essas manifestações não tenham eclodido em todo o Brasil quando os governantes (e não o povo!) inventaram de receber aqui a Copa da FIFA e os Jogos Olímpicos.

A gente devia ter ido às ruas dizer "não" antes do leite derramado, dos estádios erguidos, das obras superfaturadas... Uma pena, sim, o que não tira a legitimidade dos atos pacíficos que estamos vendo nas capitais e, paulatinamente, até em cidades interioranas. Ainda há tempo. É possível.

Sempre acreditei que esses eventos esportivos em nosso quintal não mudariam verdadeiramente nossas vidas. O que melhorar para nós, o povo, será pouco diante dos anos que vamos pagar - e do que já estamos pagando. Não era para ser assim... Vai melhorar muito, isso sim, para uma meia dúzia de empresários exploradores do fenômeno "pão e circo".

Não deveria ser preciso assumir dois mega eventos para justificar obras públicas. Isso só serviu para abrir vertentes de dinheiro público para os bolsos de políticos, construtoras e seus consórcios.

Bastaria olhar para dentro de casa, para o umbigo do país, e ver hospitais sucateados, estradas absurdamente esburacadas, quando não privatizadas (e pagamos duas vezes pelo mesmo direito), portos sem condições de operar com a demanda excessiva, dependência do sistema rodoviário sem a implantação de ferrovias e hidrovias, e por aí vai. Para nenhuma destas ações verdadeiramente prioritárias houve interesse nem imediatismo...

Que bom que os povo do Rio de Janeiro reaprendeu o caminho da Assembleia Legislativa do Estado (Alerj) e da Câmara dos Vereadores. Desejo que as visitemos com mais frequência, participemos das seções e das decisões. E aprendamos, de uma vez por todas, a fiscalizar para gritar "ISSO NÃO" antes da "canetada" dada, da verba liberada, do superfaturamento consolidado, dos imóveis históricos derrubados.

Não será por qualquer trocado que este movimento vai parar. Torço. E acredito nisto pelo simples fato de que, na conta do aumento da passagem, somaram-se anos de silêncio e outros tantos bilhões que pagamos e vamos pagar por décadas...

Sim, foi pelos vinte centavos que começou...

E um dia os livros de história contarão que o Brasil começou a mudar numa revolta que começou por conta de duas moedinhas...